Follow by Email

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

00:00

É... Depois de um dia todo engolindo choro, ao chegar em casa e tomar banho, é que minha ficha caiu.


E quantas coisas me vieram à tona... Meu Deus, que reviravolta!! O que eu quero ser quando crescer? Não sei... E o que eu vou ser daqui um, dois, três, doze meses... Não faço idéia.


Começar de novo, tudo é novo... Daqui pra frente minha vida e o Blog serão assim.


Depois de 2 anos e meio, hoje foi meu último dia de EBM. E olhando pra trás, nossa, como eu cresci, como eu aprendi, quantas pessoas eu conheci, quantas amizades, quantas brigas, quantas conquistas, quantas vitórias, quantas noites sem dormir... Mas quanto orgulho.


Como é bom sair de um lugar com essa sensação. Hoje o meu choro é de alegria pelo meu novo desafio, de orgulho pelo que aprendi, de agradecimento por todos que me ensinaram e de saudade... 


Sim, vou sentir saudade. E pra quem está prestes a passar um ano fora de casa, essa palavra é tão difícil de ser dita.


Enquanto a Geração X estagiava e aposentava na mesma empresa, nós Y, não temos essa fidelidade no DNA. Talvez por isso meus 2 anos e meio de casa, ou melhor apartamento, parecem uma eternidade


O intercâmbio é um passo para o futuro promissor que, se Deus quiser, me aguarda, mas também é um sonho.


Daqui pra frente meu olhar é de criança, tudo é novo, não tenho absolutamente NENHUMA experiência em nada do que vou viver, muito menos em ficar sem trabalhar.


Já falei aqui no Blog sobre ciclos. Agora são quase meia noite, o ciclo da natureza está quase encerrando-se e o meu acabou de encerrar e recomeçar.


Enfim, quando eu crescer quero carregar tudo que aprendi até hoje e principalmente o que aprendi com, e na EBM na minha carreira e vida. E quero também chorar menos, ou quem sabe segurar menos o choro.







quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Quem nunca???

Quem nunca se viu em uma discussão no trabalho?


Afinal, passamos a maior parte do nosso dia com pessoas que não temos nenhuma intimidade(na maioria das vezes).


Eu mesmo já fui protagonista de várias dessas situações. E o pior, dificilmente resolve-se um problema com uma discussão, o mais fácil é que criem-se outros.


Li essas 3 dicas hoje e achei interessante. Espero que gostem e usem!!


A dica de hoje foi dada por Sylvio Ribeiro no blog Pequeno Guru.


Ninguém está imune às tensões do trabalho: é inevitável ter algumas conversas incômodas com colegas ou clientes. Aqui estão três jeitos para conseguir um resultado positivo, não importando quão difíceis as coisas estejam:


Seja civilizado. Não torne a conversa em um combate, onde existe um vencedor e um perdedor. Todos saem perdendo quando a discussão fica ácida.

Não ensaie. Quando você sabe que as coisas não vão ser fáceis, é tentador praticar o que você irá dizer. Mas é uma conversa — não uma apresentação. Ao invés, saiba o seu lugar e esteja aberto o suficiente para ouvir e reagir.

Evite assumir coisas. Você não tem acesso às intenções de ninguém exceto as suas próprias. Não assuma que você sabe o que a outra parte está pensando ou de onde ela vem. Ao invés, peça pela sua perspectiva.

Espero que tenham gostado e que PRATIQUEM A HARMONIA NO TRABALHO!!!

domingo, 11 de setembro de 2011

TENTE OUTRA VEZ

Vocês leram o último post? Se não, leiam, antes ou depois de ler esse.

É que no post do dia 09 de setembro, falei sobre as mudanças, de quanto mudamos de idéia enquanto estamos decidindo o que queremos ser quando crescer.

E hoje, fui acometida por um outro tipo de pensamento...

TENTE OUTRA VEZ!!



E aí, até onde mudar de idéia e começar de novo é melhor que tentar outra vez?

"Não aceite o NÃO como resposta." - Um chefe (ou melhor, líder) me disse isso uma vez.

E pra que vocês comecem bem a semana, não aceitem os "nãos" no meio do caminho, (des)conhecido!

E hoje não vou terminar o post com meu "enfim, quando eu crescer..."

Quero apenas dizer:

BOA SEMANA A TODOS! Aos que estão prestes a encarar o novo (como eu) e aos que estão persistindo no antigo.

"Amanhã há de ser outro dia" - Chico Buarque

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Os muitos primeiros passos

Gente, muito engraçado como a Geração Y é indecisa e ansiosa, né?

Eu, que estou prestes a mudar minha vida radicalmente, me deparei nos últimos 3 dias com pessoas insatisfeitas pelas suas decisões. Não que isso não seja normal, mas acho até engraçado, a seguinte análise:

Agente quer se dar super bem na carreira, e tem que ser rápido, mas não conseguimos passar muito tempo na mesma empresa ou na mesma função que logo dá vontade de buscar novos ares...

Ah se a Geração Y tivesse mais paciência... Aí não seria Y!!

Um amigo hoje me disse que pediu demissão. Trabalha há três anos em uma empresa, já tem um cargo de gerência bom, mas está cansado da rotina.

Um outro amigo, tinha o estágio dos sonhos, largou porque não dava muita grana e porque estava com um projeto de abrir o próprio negócio. De repente, adiou esse plano e está com o currículo no mercado novamente.

Eu, que sempre me dediquei ao trabalho, se tudo der certo, vou passar um ano me dedicando aos estudos e a arte de conhecer novas culturas.

E quer saber? Essa é a grande vantagem da nossa geração, não temos medo de arriscar, de errar, de começar de novo.

Não somos fiéis aos nossos empregadores, mas temos a incrível capacidade de nos apaixonar por algo, e agarrar uma causa com unhas e dentes.

Enfim, quando eu crescer, quero ainda poder mudar de idéia e começar de novo. Tem coisa mais emocionante que o primeiro passo rumo ao desconhecido?